FISICAMENTE

Enquanto golpeio mentalmente as vértices de uma reviravolta, meu corpo aspira o tom da nota sem deter o preço característico. Ele simplesmente consome, num agrupado jogo de cintura, uma volta sem retorno, absorvendo o movimento de cada fase, sem predominar o sujeito do todo. Somando, subtraindo... Como a chuva no verão, como o sol do … Continue lendo FISICAMENTE

Anúncios

REUNIÃO DAS SOMBRAS

Sabemos o que somos, mas não sabemos o que poderemos ser. W. Shakespeare SONG Por mais que procuremos a ratificação de um sinônimo próprio para a palavra vida, em todo contexto meditativo, encontra-se apenas o feliz acaso "viver". O sujeito que se agrega a essa única palavra de encontro ao seu espírito, nele, se cogitam … Continue lendo REUNIÃO DAS SOMBRAS

DESFILADEIRO DIÁRIO

Dada a largada e os olhos atados se divorciam Á procura de um cenário vistoso Mentes brilhantes me desafiam Rastreio os albores Interfiro o brilho — degluto minha ablepsia O palmo, o bruto, um certame, um consenso, uma heresia Distraio agouros seguindo a tática da imitação Recebendo o sol que não queima A chuva que … Continue lendo DESFILADEIRO DIÁRIO

DOIS CAFÉS, UM DESENHO e O AR

Tudo, —em memória de momentos únicos— ressurge os períodos vagos.  Penso eu ao se delongar de frente á manhã nublada, álacre de tentações. Manhãs como essa, tal dia, viera a me prestigiar em confrangimento do acordar, em pleno horário de verão, o despertar diurno anegralhado. Dificilmente tenho recordações aleatórias, somente em premeditado custo. Nem sempre … Continue lendo DOIS CAFÉS, UM DESENHO e O AR

MARCAS

Existem marcas em todo lugar Daquelas estampadas de sol Até as que não se pode enxergar. Algumas exigem um esforço memorável Talvez a marca de nascença, Um tipo bem provável. Outros assumem o advérbio da nota, uma célula, um apreço Advindo de muita história Sobre a qual não há texto. Muitas delas são inatas Indestrutíveis … Continue lendo MARCAS

O sucessor das três letras

15:49 post de hoje: poesia - photos/text por jak Abriram as asas, venha-se o vento Fecha-te as mágoas, livrais do sofrimento Das velhas manias, declinam-se forças internas repletas por si, inteiramente, esportivamente, discretas. Um só por todo, encarece o tecido desfiado Como a vela no escuro, num dia ensolarado reduzindo... vociferando... Espreitando a veracidade, no … Continue lendo O sucessor das três letras

O DECAIR do ÁTOMO

22:49  boa noite - acompanhe o texto com música - photography/text  por jak e quando a vista começa a melhorar, o horizonte não mais persevera, a condolência reside e a parede construída esgota-se, evola-se, deixando rastros, sombras, ou algo que identifique que nada deu certo. é necessário dar corda várias vezes, afiliar-se ao manto flexível, reiterando, … Continue lendo O DECAIR do ÁTOMO

Que horas são?

Cinderella - Coming Home Não vejo o momento para estar em casa Enfastiar os vizinhos em plena sexta-feira à noite Contanto, Contando... É complicado quando você mesmo já não sabe quem foi Algo que se prese convida a memória mais construtiva em remorso de sua gravidade caritativa Ainda me pergunto: se todas as perguntas fossem … Continue lendo Que horas são?

~enquanto duram

'escolha o caminho fácil e assim que possível o sol estará entre triagens transparentes. assim que tudo passar, a natureza nos impedirá de sossegar na mesma tecla. então se possível, vá pelo caminho difícil. avance a plataforma pela medonha façanha do desconhecido. enquanto durarem nossas cotas que incitam do mesmo golpe debulhado de entusiasmo, a flexibilidade de nossos … Continue lendo ~enquanto duram

ESPERANÇA

ouça junto - Cartola: As rosas não falam Esperança Espera. Desesperadamente. Nela. A esperança. Esperança é acordar na igualdade e ver o azul em diferentes tons de alegria. Esperança é chorar o erro e virar as páginas pré possante de agonia. Esperança. Se por assim dito, ainda há, ou será de estar em algum foguete? … Continue lendo ESPERANÇA