ESPERANÇA

ouça junto - Cartola: As rosas não falam

DSCF1561.JPG
Esperança
Espera. 
Desesperadamente. 
Nela. 
A esperança. 
Esperança é acordar na igualdade e ver o azul em diferentes tons de alegria.
Esperança é chorar o erro e virar as páginas pré possante de agonia.
Esperança. Se por assim dito, ainda há, ou será de estar em algum foguete?
Foi-se pro espaço, num terreno bem abaixo de um lugar domado por uma rede.
Rede fisgada, pela serpente depravada, alimentada pelo medo.
Embora seja revistada, em todas as ordenadas, a parcela imprementada de um segredo. 
Esperança. É ser a verdade e uma leve coragem no colo do desatino.  
Esperança. É visar a entrada e estatelar os olhos ao indigesto pulsar do repentino.
Da fé se têm... confiança.
Da cor se rega... a lembrança. 
Da vida se espera... 
Espera. 
Desesperadamente.
Nela.
O vinhedo da perseverança.  
—
photo/text jak

DA PALAVRA EXISTIR

19:21 exitem os justos. existem á eles. um poder senão apunhalar o não;

DSC08761-01100 palavras e uma música.

Pink Floyd – Learning to Fly

Pensa. De modo refratado por quão imerso à insistir. O homem. Persistente a irremediável posse na face da terra. A vida. Um monumento estrangulado por altos e baixos. A história. Demasiadamente poético aquém digere a sucumbir a encruzilhada. O rumo. Proeza solícita a margem rítmica ao estado de âmbito. A máscara. Peça encarquilhada a soberania explosiva à outrem. O corpo. Diadema passional as necessidades radicais no apogeu do mundo. A alma. Desejo matizado ao toque harmônico nas profundezas da veracidade intangível integrada ao físico. A existência. O agora de ontem, o óbvio do amanhã; mediante, adiante… as revelações do universo.

-good Night- photo/text by J∀K

SUSTENTAÇÃO’

mares.jpgToma-te o porre

Ó velha epifania

Toma-te ideias

Que os mares espantam

Toma-te paz

Ou envelheça dela

Toma-te ao céu

Ó frescor arrendante.

photo|text by jak

 

MINI-HÁBITOs

~se a vida é feita de escolhas, eu escolho ser feliz| 11:01

Como vai, meu caro?? 🙂 Aposto que seu final de semana fora esotericamente doce, principalmente para os chocólatras, não? hehe. Nada que uma brincadeira daqui acolá fizesse de falta nessa comemoração. Pois bem, dessa vez meu alvo foi concentrado numa grande mulher aventureira. HEY, VÓ! Apanhei um desses ovos de galinha caipira, submeti em uma embalagem de sonho de valsa e a partir de uma cestinha decorativa, dei o golpe do ovo de páscoa!! É óbvio que ao contato alarmante de suas mãos, o sentido da brincadeira foi resultado de grande exaltação. Mas tudo ficou bem no final de contas, claramente sendo presenteada com seus sortidos suculentos, rs. 🍫

Well, well… hoje resolvi escrever um pouco. E se existe uma coisa que detesto é limites. Já tentei de tudo para depor com estrategismo de expectativas. Vamos contar que nem tudo, pois estou acertando essa reputação comigo mesma com um passo de cada vez. É um saco ter que conceituar um turbilhão de coisas com aquelas que seu corpo aparentemente já atende por domínio. Logo que previ essa entrância de uma nova fase, tornei a favorecer a prática dos mini-hábitos; nada mais é que uma organização diária dos seus á fazeres, entretanto, com escalas de menor tempo!

DESIGN JAK.JPG
um café, será sempre uma boa pedida.

Ok, vejamos um exemplo… ler. HA! Antes, eu mergulhava de cabeça em 1 capítulo por dia. No dia seguinte, não sabia nem a metade do que foi lido, devido a falta de concentração (-deve ser a velhice chegando). Essa semana iniciei o relance de ler 2pág/dia, até que felizmente eu pegue o hábito de acrescentar propósito sem sentir tédio. Outro meio, são os estudos. Ao contrário de se derreter em frente ao computador com tanta informação processando, estou averiguando 2hrs do meu tempo para efetuar a dedicação daquilo que me traz afins do conhecimento intelectual. De fato, a gente somente, coff coff, ‘só mente’, quanto a relação de querermos algo e acharmos que não conseguimos.

*pura verdade*

Portanto, nada que um empurrãozinho na consciência ajude a viabilizar o que queres do que desejas;

-e você? como lida com esses problemas no dia-a-dia? 

até amanhã, jak| 😉

PARA ENCERRAR BEM O DIA – Jak K.

IMG_9199.JPG

150 palavras sobre o amor                                                                                   

Eu amava. Tu amarias. Como saber que nos amamos? Amar é desejo inescrutável. Infantaria atônica do sentimento aturdido; sem do mesmo, ausência incessante. Ora antes que saberdes amar á sermos amados, o amor se dá à quem ninguém pertence. Alvo sem retiro, pressa acalmada do toque. É colo ignóbil, entremeio à almas desconhecidas. É pendência plantada à inexistência ao que regar. A concentrada natureza silenciosa que alenta. O mergulho à céu aberto. Diferente, estridente e invisível. É alimento avito sem escasso de fome; ditado que se adorna ao elucidante viver. Amar-de-ei uns aos outros como devido a ti . Ames porquanto amarás. Dentre o calor derretido, a elegia do coincidente sofrer. Mas não sustente a verdade a quem lhe custe perecer. Simplesmente amável. Torne-se a adorar. Pois amor é pouco acima de qualquer escarpa. Ames incondicionalmente. Ainda que criastes chances do esquecer, sucessivamente do ser amado. Apenas amemos. À sobretudo amar.

jak|ouça

ATÉ SEMANA QUE VEM! ^^

-if you would weeping-

hennkim1

as lágrimas são projetadas por emoções. tão mesmo por constantes pensamentos, por lucros dum primórdio não tão distante. por sons que sufocam o andamento dos batimentos cardíacos, por um suporte sem proximidade á uma explicação sincera. e ela se alastra. hipnotizando os documentos já arquivados, já esquecidos, portanto de maneira á se reintegrarem em momentos impremeditados.

são águas salgadas. passando a pulsação de cativeiros obscuros, da fala não dada, dos sentimentos não sentidos; e como saber sentir um sentimento? o caos em si, por um redemoinho de pranto insolúvel, surgindo assegurado pelo tempo de reflexão em banho. de nada se sabe, o quão insensível se manisfesta nossas impressões. se por lembrar da felicidade, nossos olhos esbanjam o abalo dos efeitos harmônicos, redobrando a sensibilidade a eles á uma porta a céu aberto, tão decente a se coibir por lágrimas daquela turbulência expulsante de excitação; do amor ao toque, da presença sem convite, do tato ao âmago da sensação. dessa forma, um erro seria não varrer o júbilo, em troca a admitir o medo a se condizer com outros fatores, resultantes da perda, do pensar e existir em suma protuberância á se dizer incapaz de sentir. e nesse escaldante ciclo, as considerações finais. a inexplicável peleja dos enseios não cobrados por faces desmoronadas de culpa. sempre seremos o ser e a culpa.

ás lagrimas desviamos a moldura, entre tantas e incríveis vezes que se perdemos em devaneios passados e que ainda irão de passar. as gotas são o presumo de nossas narrativas mais afundas do que o próprio espírito. a cerca de qualquer época. elas viverão por demonstrar nossos recipientes alvitres. sempre que vier, irão de virar.

jak| art henn kim

INTOCÁVEIS

flor.jpg

ouça junto

O belo, o impróprio
O servo, a negação

O limite, o impulso
A chama, a atração


A distância, o versículo
A diferença, a sensatez

A paixão, pura verdade
Por você, mais uma vez.

photo & text| jak

PENSO, LOGO EXISTO

wallpaperme.jpg

photo by jak

play – open your eyes 

Por horas, vivi da metade. Por segundos, vivi a clemência. Sem ciência. Vivi. E do melhor de mim, guardei a decência. Menti. Mesmo sem aquém direcionar. E senti, o peso de não saber onde estar. Sou a fração do desespero que se repele. O refúgio das repaginadas do agora. Um emprego frêmito das contradições; sou a falta das ações que foi-se embora. O corpo e suas algemas cépticas. A alma e sua validez incrédula. Os dois, sem natureza eterna. A mentira, a geografia interna. Discursei-me ao plano perito do cavalgar. Certa vez que isso me fez bem, caí e não me pus á levantar. Ainda que insista e resista entre as contingências do que acredito, sei e nada sei de que exista um paraíso. Onde meu corpo debilitado de fúria, toque a euforia do repousar. Nem que de perto ou de longe, eu consista á duvidar. Já que em toda minha vida, no silêncio sem contrapartida, fiz de mim um objetivo irremovível. Fui a parte e o todo. A sensibilidade e o nervoso. Um circuito meramente…

c  o  m  p  r  e  e  n  s  í  v  e  l.

bom dia | jak

O sumo de 1/2 limão

03/02  19:10  post de hoje: crônica - art by jak

Eu sou o limão. E peguei a hora exata para começar a digitar esse texto. Não me convenho com a forma que as pessoas me conjecturam. Particularmente, sou azeda, daquelas que nem mesmo se adoçando resolve. Me comporto conforme os condimentos que me é aprimorado. De vezes, gosto mesmo é de arriscar algo novo, servir de essência para levantar o astral; emitir um novo toque.

lemon

Muitas vezes, sou posta como sobejo. Ninguém sabe mas, a melhor parte de mim estão nas sobras. Uma coisa que detesto, é ser encarregada de impressionar alguém. Eu gosto mesmo é de provocar sobressaltos, do tipo conceituado de tequila. Imaginem só, extrair toda minha felicidade para ser a limonada de alguém. Não. Me nego a favorecer os prazeres absortos sem antes compreender o espaço que serei deferido. Sendo assim, sou 1/2 do que digo, 1/2 da seiva que tempero. A outra metade, é a parte evasiva, é a 1/2 de um mistério!


jak 🍏

Do cotidiano sem chão

Envoltos pelo abrigo,

Engenhados pelo castigo.

Esculpidos de itinerância,

Á lugares sem esperança.

Derivativos de consciência

Dilacerados por instância;

Vitalizados por sequer especiaria,

Dos quais se elegem a insignificância.

Confinados a esquecer do presente,

Conjugados a lembrar do pretérito.

Da vida que servia de essência,

Do qual não mais se têm seu mérito.

photo-text|jak