O DECAIR do ÁTOMO

foto

22:49  boa noite – acompanhe o texto com música – photography/text  por jak

e quando a vista começa a melhorar, o horizonte não mais persevera, a condolência reside e a parede construída esgota-se, evola-se, deixando rastros, sombras, ou algo que identifique que nada deu certo. é necessário dar corda várias vezes, afiliar-se ao manto flexível, reiterando, cessando pontos, evacuando lágrimas, espedindo do corpo a poeira do fracasso, [respirando…] á levar ao momento de desocupar espaço para o novo.

nem tudo é positivo. da energia que reconhecemos, a inexorável junção do negativo e positivo é vital para as coisas entrarem em vigor do próprio encadeamento funcional. pena que a alma se desgasta com o tempo. o uso contínuo da adrenalina, implica na saciedade das pequenas propostas, por assim, transmutando a competir do mesmo que fez dela o desenrolar por natureza.

tão óbvio quanto renunciar, é preencher o vazio com boas ideias! 

se tudo – quando praticado por um desacerto fosse absolvido por presentes, acordos carinhosos – a facilidade de reter outra dose de se descobrir, seria vulnerável à sentença do valor exclusivo da experiência.

câmbio e desligo xx

JAK

Anúncios

Que horas são?

_MG_4251.JPG
um pouco de tinta azul, por favor

Cinderella – Coming Home

Não vejo o momento para estar em casa
Enfastiar os vizinhos em plena sexta-feira à noite

Contanto, Contando...

É complicado quando você mesmo já não sabe quem foi
Algo que se prese convida a memória mais construtiva em 
remorso de sua gravidade caritativa

Ainda me pergunto: se todas as perguntas fossem respondidas
Seria eu, o ponto de interrogação?

Meu coração tem um ingresso incomum com a euforia
Batimentos curtos, como a maré de uma manhã nublada que se alicia
Soando intermitentemente estúpido
Quando agrupado em voz alta.

Mas olha, nem todos os pontos são marcados à nosso uso
Tem horas, portanto, que é bom não sentir falta.

~jak

ESPERANÇA

ouça junto - Cartola: As rosas não falam

DSCF1561.JPG
Esperança
Espera. 
Desesperadamente. 
Nela. 
A esperança. 
Esperança é acordar na igualdade e ver o azul em diferentes tons de alegria.
Esperança é chorar o erro e virar as páginas pré possante de agonia.
Esperança. Se por assim dito, ainda há, ou será de estar em algum foguete?
Foi-se pro espaço, num terreno bem abaixo de um lugar domado por uma rede.
Rede fisgada, pela serpente depravada, alimentada pelo medo.
Embora seja revistada, em todas as ordenadas, a parcela imprementada de um segredo. 
Esperança. É ser a verdade e uma leve coragem no colo do desatino.  
Esperança. É visar a entrada e estatelar os olhos ao indigesto pulsar do repentino.
Da fé se têm... confiança.
Da cor se rega... a lembrança. 
Da vida se espera... 
Espera. 
Desesperadamente.
Nela.
O vinhedo da perseverança.  
—
photo/text jak

TIME of LUNCH

~o sol é para todos… o brilho por si só!~

Salut (puxa, faz muito tempo que não uso essa palavra), como vão?

Hoje venho (-bem atrasada) para preparar uma receita fresquinha que separei especialmente para todos. Faz muitos dias sem postar uma comidinha olorante por aqui. Pois muito bem… os ingredientes são bem fáceis de encontrar, então mão na massa (-não é bem um pão mas, tá valendo a expressão, hehe)

receita.jpgConsiderando o fato que redigi os alimentos em inglês, se trata não menos de estar restituindo esse costume vice-versa no ambiente culinário. Estou fascinada e propriamente aprendendo com esse método de denominar as coisas ao meu redor numa linguagem estrangeira.  -fecha aspas, rs.

  • Aqui vão eles:

2 xícaras de arroz

2 batatas doce

1 ovo

2 abobrinhas

2 tomates

Molho de tomate

Orégano (opcional)

Sal á gosto

Azeite

  • Preparando 1 de cada vez:

Arroz: O modo de preparo em relação ao arroz é bem tradicional. Esquente o azeite, acrescente o alho (mas podemos levar em consideração aqueles temperos prontos), adicione as xícaras de arroz, mexa, acrescente a água até que cubra totalmente a medida do arroz. E deixe cozinhar. 😉

Abobrinha + Tomates + Molho: Para este preparo, corte as abobrinhas juntamente com os tomates em formato de cubinhos e reserve. Em uma panela, acrescente o azeite, doure o alho (uns 2 dentinhos), a cebola (meia cebola pequena) e logo adicione a abobrinha e o tomate. Salpique o sal, pré-aqueça o molho em uma panela á parte e aguarde até que abobrinha não esteja ensopada. Ao notar esse aspecto, agregue o molho de tomate e desligue.

Batata-doce: Pessoalmente, adoro chips de batata-doce. E não tem segredo, viu! Descasque as batatas e corte levemente (cuidado com os dedos) em tirinhas. Numa panela, aqueça uma xícara de azeite. Após cortá-las, frite porção por porção. Para retirar, separe um prato com guardanapos com intenção de absorver a oleosidade. Salpique o sal e prove essa belezura crocante antes de empratar. *dica.

Ovo: O mestre dos terrores… fritar ovo sem se queimar, hahaha. De preferência, pegue uma frigideira, (pode ser a mesma que fritaste a batata) e deixe aquecer. Em seguida, incorpore o ovo com muita cautela e tampe. Entre 2 á 4 minutos, o ovo já estará firmemente intacto, porém, leve em consideração a consistência da gema, pois isso muito pessoal. 🙂

  • Empratamento.

Sem enigma. OK? Pegue um prato de sua preferência. Em um potinho circular, coloque o arroz até que cubra a altura do pote. Coloque o prato em cima da vasilha e vire na mesma instantaneidade. Salpique um pouco de orégano por cima. Ademais, sirva-se a vontade. Uma concha de abobrinha, várias batatinhas e ligeiramente o nosso querido ovo.

Além de ser uma refeição leve, é uma delícia tanto para o almoço quanto para o jantar. Qualquer dúvida, estou a disposição. ^^

bon appétit

jak

SUSTENTAÇÃO’

mares.jpgToma-te o porre

Ó velha epifania

Toma-te ideias

Que os mares espantam

Toma-te paz

Ou envelheça dela

Toma-te ao céu

Ó frescor arrendante.

photo|text by jak

 

TE AMO & NÃO QUERO TE AMAR

flowersjak.jpg

Perdidamente volvida, o copo e os talheres se mantém intactos
Distantemente refugiados por suas mãos.
Mantenho lembranças, recordáveis.

frase1

O estado como correram nossas raízes,
acabaram por apodrecer todas variedades e demais sequelas.
Exclusivamente a chama.
Pois saiba, amor é fogo. E uma brincadeira.
Em mãos erradas, o desbaratamento de emoções.
Uma crescente evolução de besteira.
Em meros caminhos, visões tenebrosas.
Vi-me ao teu lado.

frase2

Irrevogavelmente, sem adeus, deixaste-me só.
Uma carta, nem bilhetes.
Apenas o entardecer e os mofinos acobertados de pó.
Desde a alvorada desse surtir
Jamais enxerguei a chance de ter ver partir.

frase3

Conquanto percebas o mundo,
Ao redor, se gira a vida.
O pranto, se passas,
planta, rega, e por assim se alicia.
Não mais posso esperar, por uma voz
Que uma vez se dá.

Sou a própria das somas esfíngicas
A razão de continuar na saída,
Da qual se pode alcançar
Sem esmola.

tenha um excelente dia,

-jak-

#GIRLBOSS + 2OO RASTROS de APRENDIZADO

-hey, what’s up?-

Geralmente, ao preceituar de encontro a um final de semana (-seja ele prolongado), a última hipótese que passa pela minha cabeça é escrever por aqui. OK! São os dois únicos dias que tratamos da instabilidade do pensamento, o título de fazermos o que quisermos. Entretanto, dizem que os últimos sempre serão os primeiros, então, podemos concordar que essa ideia pode ser uma convenção a exercer hoje. 😉

Pois muito bem… rádio ligado (checado), cobertor sob os pés (checado), marasmo desativado (checado)… agora podemos começar; ffiiiniiiit _onomatopeia de assovio.

Nesta sexta-feira (21), a Netflix fez o generoso favor ao lançar a série baseada no best-seller biográfico da Sophia Amoruso, onde reúne em 13 episódios, a proximidade de uma jovem cheia de atitude vinda de San Francisco, la punk/hippie, passado a compensar suas experiências tediosas de trabalho até o tão sonhado emprego independente, cujo dedica-se visivelmente em vender seus achados vintage do brechó, em uma loja virtual no eBay, pela então nomeada Nasty Gal Vintage [trailer na imagem].

imagegirlboss.png

Se você pertence ao grupo de pessoas que já leu o livro ou faz parte daqueles que nem ao menos sabe do que trata, relaxaa… essa pessoa aqui, começara a ler o livro e parou na metade (-por motivos de emprestá-lo antes mesmo de ler por completo). Portanto, caso você se encaixe em algum critério instável como esses, deixarei 3 fatores pelas quais recomendaria á assistir GirlBoss:

  1. Comédia: No decurso das cenas, acontece diversos momentos de descontração, piadas e loucuras, inteiramente dispostas pelo modo como se socializa o ritmo do comportamento grosseiro de Sophia; de fato rola uns palavrões, mas nada que isso interfira em algo.
  2. Aventuras: As fases e deslizes da falta de controle, cede a conferência de muitas tentativas impulsionadas pelos seus então trabalhos, a qual nada impede de quebrar as regras, como roubar certas coisas.
  3. Empoderamento feminino: O preconceito, a dinastia da participação da mulher… a determinação persiste em ser o principal ornamento que se conjugue a vencer todas as insensatas contrariedades que as cercam durante toda sua convivência.

Considerações finais: em uma só tacada de 7 horas em frente a TV, a história me deixou intrigada com o fato de nunca desistir sobre suas decisões mesmo concentrado em opiniões de que somos diferentes ou estranhos. Raramente consigo assistir uma série até o final (-na maioria das vez, assisto por** nenhuma) rs. À que posso considerar minha requisitada atenção, está associada condicionalmente a esse processo de idas e vindas que muitas pessoas autônomas passam a frequentar. Todo mundo sonha em ser dona (o) do próprio negócio. Quem sabe nesse pico de euforia eu não crie um meio de empreender e deixar de servir os extremos dessa vida de patrões…!? Recapitulando, é uma série que recomendo a todos (16+). Tem lá seus altos e baixos mas, com certeza eu não seria especialista para construir uma visão criticamente amplificada, ‘capisce!

planta.jpg

Quanto aos 200 rastros de aprendizado…

SIM! O blog completou 200 posts essa semana e gostaria de extasiar esta nova etapa, agradecendo especialmente ao todo que fora se unificando. O desenvolver-se a cada dia, a presença ilustre de cada um de vocês, as tentativas malucas de escrever em momentos complicados… enfim, acho que isso pediu o desvelo á que citar. Já que não é todo instante que somos presenteados com uma notícia boa. Não que isso seja uma notícia, hein!

Bem, por hoje é só (-só 600 palavras escritas em 6hrs). Não sei como minha preguiça ainda não deu sinal de vida… hehe. Acho que essa é a verdadeira relação titulada: aprender e nunca desistir.

enfim se a vida fosse fácil, descartaríamos todos os objetivos para então ficarmos jogando peteca. 😀

e vocês? quais séries estão assistindo?

câmbio e desligo| jak

mas para a alma faminta,

…todo amargo é doce.  (Provérbios 27:7)

Bom dia, –eis um sonsinho bom pra escrever 🚀

Cá estou. 15º semana do ano. Deliciando um café puramente quente. E de passe a esclarecer meu intervalo no blog. Sempre haverão duas coisas sobre as quais não poderei distinguir. As que tenho e as que me tem. Os diferentes pontos de vista, acabam ocupando o verdadeiro esboço do horizonte. Certo, certamente. Sempre em ascensão do exorbitante encontro. Meramente ilustrativo, é convencionar a mercê de nossas estatísticas estando sempre a frente do reflexo razoável. Isso não se detém á fatos, no entanto, aos fatores, por qual me servem ao incisivo perfeccionismo.

Ou seja, você aí, que deixa tudo em cima da hora, faz aquelas listas gigantes, escreve 200* rascunhos mas não acomete a repercussão em terminar… pois bem, era isso que estava acontecendo. Num momento tudo está sob controle, o domínio, a soberania… até que você desmaia na procrastinação e os problemas acabam surgindo onde menos se imagina. E claramente a vontade de um mundo á progredir, desaparece. Para tanto, neste momento reaparece. EHHHH -pausa para exaltação. 🙂   *EXAGEROS À PARTE.

desenhojak.JPGDesde então, passei a ruminar diante de tanta coisa que fiz até aqui. E fato é, se você não possui o disparo pelo desejo de fazer algo que realmente sinta-se a vontade, a melhor maneira á designar, é pressionar o gatilho em outro propósito. Nesse caso, gostaria de anteceder-lhe a notícia que, sim, estou de volta. E adivinhem? Todo conteúdo de agora em diante, não apresentarão sequer outra fonte senão criada/fotografada/desenhada/escrita por essa pessoa que vos escreve. Por que? No instante em que criei este espaço, a datar pelo início desta trajetória, essa era a verdadeira intenção. Reunir esse conjunto de loucuras que se remete ao meu mundo.

Finalmente, depois de tanto tempo procurando uma solução, mesmo estando com a resposta debaixo do nariz, eis o veredito para continuar a fazer parte dessa aventura. Fazer o que gosta. Ponto. FAZER e descobrir-se por acaso. Sem caso.

Afinal, sempre estaremos entre o sim e o não. Mas o talvez, nos dá tempo de sonharmos acordados, enquanto banhamos a tarefa de se recorrer a imaginar tudo que temos.

Nos vemos por aí,

hasta la vista,

jak

INTOCÁVEIS

flor.jpg

ouça junto

O belo, o impróprio
O servo, a negação

O limite, o impulso
A chama, a atração


A distância, o versículo
A diferença, a sensatez

A paixão, pura verdade
Por você, mais uma vez.

photo & text| jak

Quando escrever é uma put* terapia

06/02 14:16| ouça junto ~ photos by jak

P.S: Thanks, Roseli


        Perdoem-me pelo termo obsceno, entretanto, não há de se comparar uma expressão melhor do que aquele que traduz, em resumo, os minutos do indivíduo pensante. Admitido isso, podemos iniciar nosso bate-papo de hoje. (Vocês estão prontos? – Estamos capitão!)

         Quando eu estava prestes a concluir o último semestre do ensino médio, pensei em como seria meu plano dirigente para exercitar a escrita. De costume, adorava criar diversas abordagens, relativamente participativas com o método de desabafar. Foi aí que introduzi um jeitinho de criar meu próprio espaço, um que eu pudesse exalar meu grito de guerra e conciliar os gerúndios, com a estabilidade de adotar esse meio á um hobbie. Então, JKMONDE surgiu! E a partir desse principio, surgiram vários x da questão.

editado2.JPG

Continue lendo “Quando escrever é uma put* terapia”