ESPERANÇA

ouça junto - Cartola: As rosas não falam

DSCF1561.JPG
Esperança
Espera. 
Desesperadamente. 
Nela. 
A esperança. 
Esperança é acordar na igualdade e ver o azul em diferentes tons de alegria.
Esperança é chorar o erro e virar as páginas pré possante de agonia.
Esperança. Se por assim dito, ainda há, ou será de estar em algum foguete?
Foi-se pro espaço, num terreno bem abaixo de um lugar domado por uma rede.
Rede fisgada, pela serpente depravada, alimentada pelo medo.
Embora seja revistada, em todas as ordenadas, a parcela imprementada de um segredo. 
Esperança. É ser a verdade e uma leve coragem no colo do desatino.  
Esperança. É visar a entrada e estatelar os olhos ao indigesto pulsar do repentino.
Da fé se têm... confiança.
Da cor se rega... a lembrança. 
Da vida se espera... 
Espera. 
Desesperadamente.
Nela.
O vinhedo da perseverança.  
—
photo/text jak

MANUAL de ANTÔNIMOS

pase.jpgEveyday: Phil Collins

Se for tarde, amanheça

Se for chuva, faça sol

Se for fora, esteja dentro

Se for rápido, delongue-se

Se for som, silencie

Se for alto, recline

Se quadrado, circule

Se for difícil, descomplique

Se propenso á liberdade, leia

Se da falta despótica, esbanje

Se em nada temer, preconize-se

Se impossível, ame-se

Á tamanha dubiedade… quebre as regras!

photo/text by jak

mas para a alma faminta,

…todo amargo é doce.  (Provérbios 27:7)

Bom dia, –eis um sonsinho bom pra escrever 🚀

Cá estou. 15º semana do ano. Deliciando um café puramente quente. E de passe a esclarecer meu intervalo no blog. Sempre haverão duas coisas sobre as quais não poderei distinguir. As que tenho e as que me tem. Os diferentes pontos de vista, acabam ocupando o verdadeiro esboço do horizonte. Certo, certamente. Sempre em ascensão do exorbitante encontro. Meramente ilustrativo, é convencionar a mercê de nossas estatísticas estando sempre a frente do reflexo razoável. Isso não se detém á fatos, no entanto, aos fatores, por qual me servem ao incisivo perfeccionismo.

Ou seja, você aí, que deixa tudo em cima da hora, faz aquelas listas gigantes, escreve 200* rascunhos mas não acomete a repercussão em terminar… pois bem, era isso que estava acontecendo. Num momento tudo está sob controle, o domínio, a soberania… até que você desmaia na procrastinação e os problemas acabam surgindo onde menos se imagina. E claramente a vontade de um mundo á progredir, desaparece. Para tanto, neste momento reaparece. EHHHH -pausa para exaltação. 🙂   *EXAGEROS À PARTE.

desenhojak.JPGDesde então, passei a ruminar diante de tanta coisa que fiz até aqui. E fato é, se você não possui o disparo pelo desejo de fazer algo que realmente sinta-se a vontade, a melhor maneira á designar, é pressionar o gatilho em outro propósito. Nesse caso, gostaria de anteceder-lhe a notícia que, sim, estou de volta. E adivinhem? Todo conteúdo de agora em diante, não apresentarão sequer outra fonte senão criada/fotografada/desenhada/escrita por essa pessoa que vos escreve. Por que? No instante em que criei este espaço, a datar pelo início desta trajetória, essa era a verdadeira intenção. Reunir esse conjunto de loucuras que se remete ao meu mundo.

Finalmente, depois de tanto tempo procurando uma solução, mesmo estando com a resposta debaixo do nariz, eis o veredito para continuar a fazer parte dessa aventura. Fazer o que gosta. Ponto. FAZER e descobrir-se por acaso. Sem caso.

Afinal, sempre estaremos entre o sim e o não. Mas o talvez, nos dá tempo de sonharmos acordados, enquanto banhamos a tarefa de se recorrer a imaginar tudo que temos.

Nos vemos por aí,

hasta la vista,

jak

PARA ENCERRAR BEM O DIA – Jak K.

IMG_9199.JPG

150 palavras sobre o amor                                                                                   

Eu amava. Tu amarias. Como saber que nos amamos? Amar é desejo inescrutável. Infantaria atônica do sentimento aturdido; sem do mesmo, ausência incessante. Ora antes que saberdes amar á sermos amados, o amor se dá à quem ninguém pertence. Alvo sem retiro, pressa acalmada do toque. É colo ignóbil, entremeio à almas desconhecidas. É pendência plantada à inexistência ao que regar. A concentrada natureza silenciosa que alenta. O mergulho à céu aberto. Diferente, estridente e invisível. É alimento avito sem escasso de fome; ditado que se adorna ao elucidante viver. Amar-de-ei uns aos outros como devido a ti . Ames porquanto amarás. Dentre o calor derretido, a elegia do coincidente sofrer. Mas não sustente a verdade a quem lhe custe perecer. Simplesmente amável. Torne-se a adorar. Pois amor é pouco acima de qualquer escarpa. Ames incondicionalmente. Ainda que criastes chances do esquecer, sucessivamente do ser amado. Apenas amemos. À sobretudo amar.

jak|ouça

ATÉ SEMANA QUE VEM! ^^

ACHADOS ♡ WEEK’s

salut, boa tarde, boa noite, bom dia! 16/2 6:01 pm

“A perseverança é a mãe da boa sorte.”

Quem gosta de descobrir coisas novas? (-EUUUU). Bem, posso dizer que sou aquela pessoa que a partir de um site, vou de encontro ao outro, ao outro, até submeter a algo que realmente me surpreenda.

Essa semana fiquei fascinada com a proporção de coisas que acabei esbarrando, em meio á tantas páginas. Desde artefatos impressionantes á coisas que desejamos terminantemente em nossa casa. Eis aqui um quadro das coisas que descobri repentinamente.


  • O designer Zanwen Li criou uma série de lâmpadas nomeadas de Heng, à que distribui um panorama incrível, de elementos bem atrativos, onde a criatividade e a invenção se resumem por um todo. –adoraria ter um desses em casa. 
  • Oleg Khalip, criador da Jollylook, a câmera sob qual foi projetada por meio de materiais recicláveis, tem tudo para ser a melhor coisa já inventada com papelão. Essa belezura possui a função instantânea e reside em ser um pouco maior que uma caixa de Iphone, ou seja, é perfeita para qualquer ocasião. –desejando imensamente na coleção.


  • Em frente a tantos sites de compras, encontrei Free Peoplecujo possui uma amplitude diversa, apresentando peças e costuras que não estamos acostumados a distinguir, do tipo sapatos bordados á estilos bem exóticos. –ansiando por tudo.
  • O Spotify é demais. A cada semana há indicações novas e nessa semana não foi diferente. A música Open Road (do Roo Panes) é em determinada passagem, a trilha sonora de viagens aventureiras. Já entrou na playlist, hehe. –dá um play e sinta a emoção.

🍍

esses foram meus achados por aí

e quais foram o seu? | jak

FIM DE SEMANA OFF-LINE

Hey, what’s up? Que tal ler ao som do The Killers, hein. 

“Sabe aqueles planos traçados no papel? Pois é, se queres vê-los romper sobre a suspensão de sua realidade, corra atrás campeão!” 😉 ~jak

Bem, cá entre nós… se tem uma coisa que eu admiro é dedicar um tempo para a família. A gente vive nessa correria do dia-a-dia, acaba dispensando o melhor potencial da palavra viver e, no fim das contas deixa muito disso passar em razão de minutos. Portanto, nesse fim de semana fiz desse comportamento meu auge de exercer o veredito. Resumindo: desliguei-me de tudo, do blog, dos sites que costumo frequentar, enfim, dessa bagagem tecnológica e fui viver o mundo real. Estava mesmo precisando cair em si. Todavia, nós criamos infortúnios, nós se tornamos infortúnios, flertando nossa consciência por meio deste que se viabiliza a observar nosso território do ser e estar.


anigif

Primeiramente, assisti um filme (Minha querida Anne Frank) que me introduziu fielmente com a história. Não tinha muito contato com a biografia de Anne mas ao proceder do filme, me fez ter o desejo de ler o seu diário que provavelmente deve instituir muitos assuntos interessantes, o que me agrega ainda mais lê-lo.

Depois da festa do meu caçula, apanhei a bike no meio da noite e pus-me a pedalar no ramo das dez horas. Posso confessar uma coisa? Andar de bicicleta durante a noite é altamente delicioso. ^^

20170212_180025-1Suplente á um dia de domingo, diria que estaria largada no sofá –uncle grandpa. No entanto, como uma visitinha a nossos avós é sempre bem-vinda, resolvi fazer uma visita agradável e de lá preparamos várias delícias, entre elas, uma torta de palmito de tirar o fôlego (depois quero adquirir a fórmula secreta, hein vó). Me empanturrei de tortas até dizer chega, hehe.

fiquei exaltada por fazer parte dessa experiência e enfim posso clamar por bis!

sei que já é quarta-feira mas, como foi seu final de semana?

jak  🙋

INTOCÁVEIS

flor.jpg

ouça junto

O belo, o impróprio
O servo, a negação

O limite, o impulso
A chama, a atração


A distância, o versículo
A diferença, a sensatez

A paixão, pura verdade
Por você, mais uma vez.

photo & text| jak

UMA LISTA PARA O DIA QUE VEM

10/2  🔵  17:02   photography’s jak| play

foto4.jpg

Das tantas concordâncias que atingimos, ainda não se sabe o porquê vivemos nesse tempo. Ansiedade, medo, discórdia, violência e tudo abduzido por um corpo cheio e esparramando sofrimento. A gente acaba se enfiando em desculpas que não mais se correspondem aos nossos esconderijos. É verdade, quem nunca viu, verá. Somos a planura do improviso. Temos fachadas rasuradas, rascunhos mal humorados. Há fases em nossas vidas, que nos ensinam um método extraordinário. O dia que vem, o dia que virá. Desconheço todo esse inclino, pois meus pulmões ainda não chegaram lá.

Eu sei do agora. Pelo menos o vejo. Agora o tempo está nublado, um pouco ensolarado com o bafejo do embasamento. Eu sei que passar horas pensando em algo, é ofuscar a vertigem iluminada. Mas penso eu que, um cérebro disposto de raciocínio é aquele que não pára por nada. Eis aqui minha lista para o dia que vem, para o dissertar dessa dádiva:foto5-ouvir um novo álbum do cigarettes after sex; meditar por 20 minutos; continuar a ler o livro da semana passada; fazer uma festa de aniversário para o meu irmão caçula; pedalar por aí sem ter pressa para chegar; respirar fundo; assistir um novo filme; cuidar-me-ei; fazer alguém feliz; ser essa pessoa feliz.

foto6TEMPEREMOS COM FILOSOFIA:

Nós somos o que fazemos. O que não se faz não existe. Portanto, só existimos nos dias em que fazemos. Nos dias em que não fazemos apenas duramos. -Vieira, Antônio.

carinhosamente, jak

PENSO, LOGO EXISTO

wallpaperme.jpg

photo by jak

play – open your eyes 

Por horas, vivi da metade. Por segundos, vivi a clemência. Sem ciência. Vivi. E do melhor de mim, guardei a decência. Menti. Mesmo sem aquém direcionar. E senti, o peso de não saber onde estar. Sou a fração do desespero que se repele. O refúgio das repaginadas do agora. Um emprego frêmito das contradições; sou a falta das ações que foi-se embora. O corpo e suas algemas cépticas. A alma e sua validez incrédula. Os dois, sem natureza eterna. A mentira, a geografia interna. Discursei-me ao plano perito do cavalgar. Certa vez que isso me fez bem, caí e não me pus á levantar. Ainda que insista e resista entre as contingências do que acredito, sei e nada sei de que exista um paraíso. Onde meu corpo debilitado de fúria, toque a euforia do repousar. Nem que de perto ou de longe, eu consista á duvidar. Já que em toda minha vida, no silêncio sem contrapartida, fiz de mim um objetivo irremovível. Fui a parte e o todo. A sensibilidade e o nervoso. Um circuito meramente…

c  o  m  p  r  e  e  n  s  í  v  e  l.

bom dia | jak

Quando escrever é uma put* terapia

06/02 14:16| ouça junto ~ photos by jak

P.S: Thanks, Roseli


        Perdoem-me pelo termo obsceno, entretanto, não há de se comparar uma expressão melhor do que aquele que traduz, em resumo, os minutos do indivíduo pensante. Admitido isso, podemos iniciar nosso bate-papo de hoje. (Vocês estão prontos? – Estamos capitão!)

         Quando eu estava prestes a concluir o último semestre do ensino médio, pensei em como seria meu plano dirigente para exercitar a escrita. De costume, adorava criar diversas abordagens, relativamente participativas com o método de desabafar. Foi aí que introduzi um jeitinho de criar meu próprio espaço, um que eu pudesse exalar meu grito de guerra e conciliar os gerúndios, com a estabilidade de adotar esse meio á um hobbie. Então, JKMONDE surgiu! E a partir desse principio, surgiram vários x da questão.

editado2.JPG

Continue lendo “Quando escrever é uma put* terapia”